Links da semana #7

Preparados pros links da semana?

Game of Thrones corporativo.

Quiz divertidinho que ajuda você a descobrir qual personagem de Game of Thrones você é na vida corporativa. Chorei de rir com meu resultado, mas não contooo!

Cards for serious illness

Amei essa linha de cartões fofos para pessoas enfrentando doenças sérias. Não gosto daquele papo de “você vai ficar bem, você é forte” etc. A gente não sabe se a pessoa vai “vencer” o câncer, sabe… Achei muito mais pertinente este tipo de mensagem que mostra que nos preocupamos, que desejamos melhoras, mas sem colocar a pressão do otimismo sobre uma pessoa que está passando por um momento super difícil.

Woman with pink vibrator.

Achei super legal este artigo sobre sexo e orgasmo feminino do ponto de vista científico (em inglês), em especial os dados sobre o fato de mulheres que atingem o clímax com penetração serem, na verdade, exceção, e não regra – e a pressão social que o orgasmo tem sido na vida sexual de tantas mulheres.

Massagem. Foto: Nick Webb.

Semana passada, tive a oportunidade de conhecer o trabalho da Companhia do Ser, um estúdio de massagens todo zen focado em terapia corporal. Achei muito interessante o trabalho deles (fiz com o Fabio), bem diferente das massagens tradicionais, que ajuda a gente a perceber como nossos traumas, estresses, preocupações se refletem no nosso corpo, seja em músculos tensos, em respiração difícil ou em reflexos travados. Saí de lá não só mega relaxada fisicamente, mas também com a impressão de ter saído de uma sessão de terapia! Eles oferecem massagens psicossomáticas e tântricas, e eu recomendo fortemente uma visita para conhecer ao vivo (o local fica na Vila Madalena e tem um jardim lindíssimo, um verdadeiro refúgio no meio de São Paulo). Eu realmente amei! Foto de Nick Webb.

Rihanna's yellow dress at the Met gala 2015.

Achei bem interessante este artigo sobre Apropriação cultural no baile do Met (em inglês), que tinha como tema a China. Todo mundo zuando o vestido da Rihanna, que parecia um omelete gigante, e ninguém reparando que, num baile homenageando a cultura chinesa, ela era das únicas a vestir uma peça de um estilista chinês. As outras top celebridades usaram vestidos “inspirados” na cultura de lá, mas de um jeito clichê e que, no fim, não ajudou em nada a mostrar o potencial da China na moda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *