Protesto de candidatas ao Miss Bumbum.

De bunda de fora, elas pedem respeito

Saíram por aí umas fotos de candidatas ao Miss Bumbum fazendo um protesto, de biquíni e com cartazes que diziam “Não somos objeto“, “Mereço respeito“, “Minha bunda não te pertence” etc.

Aparentemente, as moças protestavam contra o Femen, e não consigo encontrar na internet uma explicação de qual é o contexto – agradeço se algum leitor que souber puder compartilhar nos comentários (vale lembrar que o Femen Brasil não representa as feministas brasileiras). Mas essa parte do contexto não é o foco do meu post.

O que quero trazer aqui são os comentários relacionados a essas fotos, que refletem esse conceito: gente perguntando como essas moças querem respeito se “se vestem assim”, “se portam como objetos” e por aí vai.

comentario_machista_miss_bumbum_protesto11

Um dos comentários deixados nos sites de notícias

Comentário machista sobre protesto das candidatas ao Miss Bumbum.

Aqui um outro.

Quando é que as pessoas aprenderão que mulher não é objeto, seja doutora ou Miss Bumbum, esteja de burca ou pelada, fique com todos, com algumas ou com ninguém??

Essas moças da foto estão de bunda de fora e cobertas de razão: mulher nenhuma é objeto, em nenhum contexto!

Respeito é algo que nós devemos a todos, e não algo que as pessoas devem “fazer por merecer”. Sem valor é a pessoa que não sabe respeitar os outros, que não entende que seu cercadinho termina onde começa o do amiguinho.

Fica a sugestão: vamos cada um cuidar da própria bunda e aceitar que cada um faz o que bem entender com a sua?

Foto daqui.

10 ideias sobre “De bunda de fora, elas pedem respeito

  1. Manoel Netto

    Em minha visão, existe uma confusão imensa sobre esse tema. As pessoas confundem “respeite” com “não julgue”. É impossível não julgar uma “miss bunda”. Ela está objetificando o próprio glúteo e é imbecil pensar que alguém não pode julgá-la por isso. No entanto, é ainda mais imbecil desrespeitar a escolha que ela fez.

    Seria o mesmo que uma “atriz pornô” não querer que as pessoas se masturbem ao ver suas “obras”, afinal, é um desrespeito a sua arte, as pessoas estão objetificando-a, transformando-a em alvos de desejos pornográficos.

    Querem mostrar a bunda? TODO direito. A bunda é delas. Mas parem de mimimi inútil de autopromoção.

    Responder
    1. Cíntia Costa

      Manoel, acho que a confusão está dentro da sua cabeça. “Não julgar” está contido em “respeitar”, junto com não ofendê-las, não comentar a notícia chamando-as de vagabundas ou dizendo que não são pra namorar (como fizeram nos sites de notícia). Os únicos neste contexto que estão no papel de julgar são os juízes do concurso, e a única coisa que podem julgar é a beleza dos bumbuns, e não o caráter das candidatas.

      Sobre as atrizes pornô, duvido que exista uma sequer que ache masturbação uma ofensa, mas talvez seja só você confundindo mulheres que posam nuas com atrizes que fazem sexo em filmes ou fotos. De qualquer maneira, em todos os casos (e incluindo também as prostitutas), nenhuma delas é um objeto e todas merecem respeito.

      É a tal história: cada um dono da própria bunda, para guardá-la no jeans ou expô-la na TV, e ninguém ganha o direito de desrespeitar o outro por uma ou outra escolha.

      Responder
      1. João Pinheiro

        Incrível como esta senhora Cíntia Costa está correta em todas suas respostas e que qualquer opinião que não venha a condizer com a dela esteja absolutamente errada, equivocada ou confusa.
        Sim, há machismo, há exagero da partes de muitos homens, há um perigo extremamente maior de uma mulher ser estrupada (haja visto, que nunca ouvi alguém dizer que um homem foi “estrupado”), a mulher sofre mais infinitamente em metros, ônibus, nas ruas, principalmente se for o padrão ao qual os homens achem bela.
        Por outro lado há sim senhora Cíntia Costa um certo ar de “todos os homens são assim, e eu estou correta, homem está sempre errado”.
        Lutamos contra o machismo aqui em minha cidade, fazemos campanhas, desde a escola de diversas formas, trabalhando a corporeidade.. enfim!
        Mas voltando ao caso, é necessário ver a opinião alheia como outra opinião, que por vezes está se acercando com a nossa e por vezes se distancia.
        Acredito sim que devemos ficar sempre atentos para qualquer abuso e denunciar, não basta ficar indignado, essa ideia de que a polícia não está agindo também é real e por questões machistas, emboras só poderemos mudar o pensamentos de uma corporação quando conseguirmos mudar o pensamento de nossa população, esta que sofre de uma péssima educação que acaba refletindo nesta ideia de que o homem é superior, que a mulher ficará em casa, mesmo ainda pensando que há uma quebra grande deste paradigma temos que sempre abordar este tema onde estivermos, mas sem que isso nos torne pessoas chatas e inflexíveis.
        Se este site quer mostrar aos homens que há um teor alto de machismo na sociedade e está aí para ensinar, não é dessa forma agressiva que acontecerá, é necessário uma educação para tal, ninguém entende, aprende ou muda uma opinião difundida em nossa sociedade a anos de um segundo para o outro e de forma agressiva.
        Parabéns pelo site, mas é muito interessante que pense em como atingir o público (que acredito que são os homens, afinal são estes que “geralmente” fazem estas ações absurdas contra as mulheres).

        Boa Sorte, até breve.

        Responder
    2. Jéssica

      Eu entendo seu raciocínio… Porém, vamos inverter a situação…
      Vamos supôr que o concurso do miss bumbum tivesse sua versão masculina (ou algum concurso equivalente onde o que conta é o corpo), será que os homens seriam tão julgados e criticados como as mulheres, será que as pessoas tirariam tantas conclusões sem fundamento como: ‘deve ser burro’ ‘deve ser vagabundo’, etc etc??? Ou ainda… Será que TANTAS pessoas diriam que esses homens não merecem respeito?
      Aposto que muitos homens que criticam e julgam essas mulheres adorariam ganhar dinheiro apenas mostrando o corpo se tivessem oportunidade… Pelo menos, eu queria e conheço vários homens que também IRIAM AMAR.
      Um exemplo ainda mais claro de como essa ‘confusão’ ocorre por motivos sexistas é o do filme pornô, citado por você… Homens que atuam nesses filmes até são julgados, mas dificilmente são ofendidos ou duramente criticados… Inclusive são invejados por diversos homens, que acham a coisa mais mágica do mundo ganhar dinheiro pra transar… E se você for homem, tudo bem.. Porque homens devem ter desejo de transar o tempo todo com, praticamente, qualquer mulher. Então é considerado muita sorte ganhar dinheiro pra fazer isso. O cara em questão é visto como um sortudo, esperto pra caralho. Agora, se você for mulher, aí não. Aí você está se submetendo, se objetificando.. Aí você é uma vagabunda, porque afinal de contas, mulher não deve gostar de sexo tanto quanto homem… Então não é sorte nem esperteza da mulher que ganha dinheiro pra fazer sexo.
      Ou ainda, um exemplo MAIS CLARO (sim, é possível) são os casos de vídeos que ‘caem na net’, seja caso de revenge porn ou qualquer outro motivo… A mulher é super julgada, criticada, enquanto as pessoas parecem ignorar o fato de que o homem está ali… até porque, se não fosse assim, nem haveria o tal do revenge porn, porque nem faria sentido.
      Ou seja, é natural que o homem poste um vídeo onde ele mesmo aparece fazendo sexo, para se vingar da mulher que está com ele no vídeo, e a recíproca não é verdadeira, porque se uma mulher postar, ela continuará sendo a criticada, a desrespeitada, etc.
      Tá vendo como a coisa muda de figura quando o gênero é outro?
      Conseguiu perceber o fundo sexista na ‘confusão’?

      Responder
  2. suzana

    Homem se depila, se enche de óleo e se expõe de sunguinha contorcendo os músculos e ninguém fala nada – ou melhor, “Uh, que músculos!”. A mulher que põe a bunda em julgamento é puta e não merece respeito. A que põe os músculos – “ah, você não pode chamar aquilo de mulher. né?”

    Responder
  3. Raphaela

    Vocês não acham que o próprio concurso contribui para a objetificação da mulher? Que elas merecem respeito independente do que estiverem usando, isso é um fato indiscutível, ponto. Minha questão é que elas próprias, ao se reduzirem apenas a suas nádegas, estão contribuindo para a objetificação da mulher.

    Responder
  4. Daniel LC

    É muito provável, senão certo, de que a empresa responsável pela organização do concurso solicitou a essas moças que fizessem essa manifestação com a única finalidade de promover o próprio concurso, então não vejo como levar a sério o acontecimento. Agora entrando no mérito da objetificação… Jamais diria que no contexto geral elas devam ser tratadas como objeto, pois isso seria de um machismo ridículo, mas no contexto específico do concurso elas se colocam sim como objetos e aparentemente nesse específico momento elas até curtem isso. É o caso de uma moça que pousa nua numa revista ou de um homem que faz o mesmo: nesse momento eles se prestam a atuar como objetos para pessoas que queiram apreciá-los como objetos. Entendo que a objetificação generalizada é horrível, mas brincar de objeto pode ser interessante: cabe apenas ao indivíduo colocar-se nessa condição quando for do seu agrado/interesse. O que não vale é colocar-se como objeto e ao mesmo tempo querer erguer bandeira contra isso!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *