Porque você, cristão sério, deveria ouvir o que os cristãos gays tem a dizer

Igreja inclusiva: um refúgio para os cristãos gays. Foto: NickShindoStreet.

Foto: Nick Shindo Street.

Estava aqui preparando um post para contar como posso eu, como cristã (convertida, praticante, temente a Deus, criada na igreja batista e bem educada em relação à Bíblia), defender a homossexualidade e homoafetividade dentro da igreja, quando li a notícia de que a Igreja Cristã Contemporânea abriu uma sede em São Paulo e lotou o templo no culto de inauguração (é a primeira igreja evangélica gay friendly de São Paulo).

Meus amigos postaram e comentaram a notícia chocados e tristes.

Pois usarei este gancho para lhe pedir que reveja seus conceitos, querido leitor cristão.

Existe algo chamado “teologia inclusiva“, que é uma vertente de estudos que, entre outras coisas, defende que a Bíblia não condena a homossexualidade, e que os versículos que o fazem foram, na verdade, traduzidos de forma equivocada das escrituras sagradas (tem muitas informações sobre a teologia inclusiva neste blog, escrito por um teólogo e pastor, e leva a reflexão pra muito além do “eu acho”).

Antes de gritar “heresia!”, de mandar “amarrar em nome de Jesus”, de dizer que é coisa do demônio e de apedrejar, eu rogo que você ouça o que eles têm a dizer… 

Temos que admitir que, ao longo dos anos, a igreja, o Corpo de Cristo, já esteve terrivelmente errada e causou muito sofrimento a muitas pessoas ao apoiar o racismo, a segregação social entre pobres e ricos, governos repressores e até mesmo o nazismo e todo aquele horror do Holocausto (sem falar nas guerras santas dos primórdios do cristianismo, massacres vergonhosos).

E hoje em dia, em 2013, dentro das nossas igrejas, a homofobia tem levado à marginalização e, infelizmente, até ao suicídio de alguns irmãos que se descobrem gays. Não a homossexualidade: a homofobia. E a culpa pode estar sobre as suas costas. Já parou para considerar isso? Já parou para pensar seriamente que você pode estar em pecado diante de Deus?

Foi por conta de gente que se sentiu marginalizada e ousou discordar e contestar a igreja de sua época, como nosso tão admirado Martinho Lutero e seu quase xará e igualmente admirado Martin Luther King, que a igreja se desvencilhou de preconceitos hoje inaceitáveis e evoluiu na direção do amor e da inclusão. Também é isso que quer dizer o versículo “não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que proveis qual é a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:2) (tão usado hoje em dia para reagir a “modernidades”, mas tão pouco usado para olhar para dentro da igreja…).

Então eu lhes proponho esse exercício: orar a Deus pedindo sabedoria, abrir o coração e ouvir o que os cristãos gays tem a dizer. Sem torcer o nariz. Sem chamar de viado. Sem presumir que gays são promíscuos, pedófilos, pervertidos. Sem ter nojo. Sem sentir dó e desprezo disfarçados de “compaixão”. Apenas com o amor de Cristo no coração (lembrando que é esse o segundo maior mandamento, amar ao próximo como a nós mesmos, depois de amar a Deus acima de todas as coisas).

A Bíblia diz que a sabedoria de Deus é loucura aos olhos dos homens (1 Coríntios 1:25). E se os “loucos” da vez são estas pessoas, que dizem que o amor entre duas pessoas que tem o mesmo formato de corpo (que é essa a grande diferença da heterosexualidade e da homossexualidade, no fim) não é pecado e pode ser tão puro e abençoado quanto o amor que você tem pela sua esposa ou esposo? Que Deus os criou, os ama e os aceita como são, sem pedir que eles mudem? Que Deus se alegra quando eles se casam e formam uma família? Que nós devemos acolhê-los nas nossas igrejas de igual para igual sem considerar sua orientação sexual um mal a ser eliminado?

A Igreja Cristã Contemporânea é a mais proeminente comunidade de cristãos gays do Brasil e tem uma pegada pentecostal, mas não é a única denominação cristã que defende a teologia inclusiva. Se você não se identifica com a vertente pentecostal, pode ler o que dizem as outras muitas comunidades evangélicas, protestantes e até católicas que também a defendem, como a Gay Christian Network, o Padre Beto, a comunidade Apascentar.

Só pra fechar, vale lembrar que eu adoro comentários, sejam concordando ou discordando de mim, mas não aceito aqui no meu blog nenhum comentário ofensivo nem preconceituoso. Por favor, deixem sua opinião de maneira respeitosa – afinal, Deus tá vendo ;).

23 ideias sobre “Porque você, cristão sério, deveria ouvir o que os cristãos gays tem a dizer

  1. Juliana

    Adorei o post Cintia! Só acho uma pena ter que existir igrejas inclusivas para que os gays possam ter uma religião. É uma segregação que não deveria existir… é como se houvesse igrejas para que os negros tivessem aonde frequentar… É incrível como ainda em 2013 as pessoas são tão preconceituosas… Preconceito enrustido é muito pior do que o escancarado, não acha?
    Bjs
    Juliana

    Responder
  2. Danilo Andrade

    Fico feliz demais de ler um texto assim, Cintia.

    Moro em Paris e tenho sido obrigado a suportar uma nova onda de homofobia que permanecia latente (ou nem tanto) na igreja há muito tempo. Você deve saber, aqui estão votando leis que permitem homossexuais se casarem, adotarem, etc. Para impedi-las as igrejas se organizaram para fazer manifestações monstruosas pela França inteira.

    Como resultado dessa gritaria toda, o número de agressões contra homossexuais aumentou exponencialmente, claro. Mas em meio a tudo o que me deixa triste, sofro ao ouvir de cristãos inteligentíssimos argumentos absurdos e teorias da conspiração que beiram à ficção científica. Idéias onde os homossexuais causariam a destruição da família, da humanidade, da igreja e (pasmem) de Jesus.

    Fico perplexo ao perceber que os cristãos, muitas vezes, ao visualizar um “inimigo” em comum, acabam se unindo. Unindo-se com o único propósito de julgar o próximo.
    Fico perplexo ao perceber que nem toda a violência e ignorância que essa união tem provocado são o suficiente para percebermos a que ponto essa intolerância não vem de Deus.

    Enfim, repito, fico feliz de ler um texto sóbrio e informativo em meio a toda a alucinação que me rodeia aqui na Europa.

    Responder
  3. Ana Lucia Bedicks

    Olá Cintia,
    Embora não concorde com tudo o que você escreveu, quero elogiá-la pelo texto. Creio que a igreja e os cristãos precisam (ou até já perderam a hora) de discutir com seriedade e respeito esse assunto. As fontes nas quais você se baseou para escrever são muito semelhantes e acho que a discussão ficaria mais completa com uma maior variedade de fontes confiáveis. Não sei se você conhece o trabalho do Ray S. Anderson. Ele foi um teólogo e professor do Fuller Theological Seminary e escreveu bastante sobre o assunto (ele faleceu em 2009) por isso estou colocando aqui alguns links do trabalho dele. Esse é de uma série de 3 posts sobre uma conversa do Prof. Anderson com um cristão homossexual: http://www.faith-theology.com/2008/07/homosexuality-and-church-meditation-on.html. Também está disponibilizado na Internet parte dos estudos dele sobre o assunto, que é um dos capítulos do livro “The Shape of Practical Theology”: http://onetablefuller.files.wordpress.com/2013/04/homosexuality.pdf. Também quero lhe sugerir o trabalho da Marin Foundation: http://www.themarinfoundation.org/. Andrew Marin escreveu um livro: “Love is an Orientation”, que não é tão técnico quanto o trabalho do Anderson, mas que vale a leitura. O ministério do A. Marin é muito interessante e creio que ele consegue como poucos mostrar aos homossexuais, o amor de Deus por eles. Num assunto tão sério e que afeta tão profundamente tantos, cristãos e pecadores como todos nós, não podemos correr o risco de sermos simplistas. Espero que aprecie as leituras e que elas enriqueçam seus textos.
    É indiscutível que a igreja e os cristãos precisam rever seus conceitos sobre a questão, porque a ideia de igreja é que ela seja um lugar de acolhimento e não de julgamento como infelizmente tem sido.

    Responder
  4. Andreas U.

    Parabéns Cíntia Costa, você tem uma linha de raciocínio muito sóbria.
    É essa linha que te diferencia dos demais evangélicos.
    E mesmo se você não for evangélica, você demonstra que consegue ver a religião da forma correta como deve ser vista.
    Meus parabéns novamente! ♥

    Responder
  5. Pingback: Novela coloca lenha na fogueira com casal gay | Setimo Portal

  6. Felipe Libório

    Cíntia, muito obrigado por existir. Não sou cristão e os recentes acontecimentos têm feito crescer em mim um sentimento muito ruim em relação aos evangélicos, sentimento que eu não sabia como evitar. No entanto, tu me fazes acreditar que é possível uma religiosidade cristã diferente: racional, aberta e inclusiva. Espero que haja mais pessoas no mundo como você.

    Responder
  7. Pingback: A “cura gay” mata | Cintices

  8. Fernanda

    Olá Cintia! Vim parar neste blog porque a acompanho desde o Planejando meu casamento, pois casei na mesma época que vc. Bom lendo este texto, gostaria de externar minha opinião, para que aqui fique registrado. A igreja Cristã passou sim por muitas ideologias e costumes que estiveram distantes do aceitável, porém, devemos lembrar que a Igreja apesar de ser liderada por seres humanos, deve ser focada em Cristo. As escrituras são muito claras com respeito às atitudes que Deus espera dos homens: uma vida de santidade, de amor ao próximo e a Deus, sabendo que todos que quiserem podem se achegar a Ele, a diferença de pensamento está no fato de que Ele nos aceita do jeito que somos, mas não nos deixa do jeito que estamos, as nossas atitudes perante a sociedade estão cada vez mais aceitáveis, o sexo antes do casamento, o aborto, a mentira, porém são todas atitudes que nos afastam de Deus.
    A graça de Deus nos alcança, porém a prática reiterada do pecado nos afasta e cauteriza a nossa mente.
    Todo homossexual deve ser tratado com amor nas igrejas, mas dizer que a relação homossexual é aceita por Deus é errado. Deus formou o homem e a mulher, e desta união surge a Sua própria imagem. E no livro de Levítico diz claramente que é abominação para Deus a relação homossexual, com relação ao racismo, nunca li nada a respeito na bíblia, mas eu sei que o racismo já existia fora da igreja. Não devemos achar que o nosso crescimento intelectual, seja a base para a interpretação da palavra de Deus, a Biblia tem uma linguagem muito direta, infelizmente, os países mais desenvolvidos, hoje são os mais distantes da vida cristã. Não é da maneira que eu acho, ou que vc acha, é pela Sua palavra, e se nós estamos interpretando á nossa maneira, estamos distantes de Cristo. Será que estamos em comunhão, em oração e jejum? Infelizmente, a palavra de Deus está sendo interpretada de forma a satisfazer as nossas ideologias e vontades, não de acordo com a vontade de Deus. Eu posso querer muitas coisas, ganhar o mundo inteiro, mas a minha alma continua sendo meu bem mais valioso. Espero que muitas pessoas possam entender o significado da salvação, viver com Cristo hoje, mais ainda, é morrer para o mundo. E eu, particularmente, não quero perder o meu bem mais precioso e nem quero que meu próximo perca, porém a decisão é individual, eu quero viver a palavra, a palavra de Deus deve ser pregada, a igreja não pode andar na mesma mão do mundo. De que me valeria ganhar o mundo inteiro e perder a alma e perder a única razão de ser?

    Responder
    1. Cíntia Costa

      Oi, Fernanda! Seja bem-vinda por aqui também :).

      Vc diz que a Bíblia é muita clara no livro de Levíticos quando diz que a relação homossexual é abominação. E eu te digo que ela também é muito clara, no mesmo livro, quando diz que comer mariscos e outros frutos do mar é abominação aos olhos do Senhor. Por que nós decidimos que a parte dos frutos do mar é uma questão cultural, uma parte que não deve ser levada ao pé da letra, mas a parte que trata do da homossexualidade deve ser literal? Digo o mesmo da passagem no Novo Testamento. No Novo Testamento, a Bíblia diz que homens não devem ter cabelo comprido, que as pessoas divorciadas estão proibidas de se casar de novo e que a mulher deve usar véu na igreja e não pode falar dentro do templo. Mas nós, como igreja, decidimos que tudo isso era cultural e não se aplica aos dias de hoje. Menos a questão dos gays: esses continuam sendo errados.

      Nossa leitura da Bíblia é muito conveniente para nós mesmos, e é encharcada de preconceito e excludente.

      Quando surge um grupo de irmãos que propõe uma leitura diferente em relação aos gays, por que a gente tem que tacar pedra sem nem ouvir o que eles têm a dizer? Porque não é meia dúzia de pessoas… Tem pastor, tem teólogo, tem gente como eu e você propondo essa mudança.

      Termino dizendo o mesmo: de que adianta toda a nossa “religião” se a gente perde a alma ao ser igreja de discriminação?

      Beijos!

      Responder
      1. Fernanda

        Olá Cintia, concordo com você que em Levítico a bíblia fala de mariscos, do cabelo cumprido, vc deve saber que a lei foi revogada pela graça, o Apóstolo Paulo, mesmo diz que é para comer tudo que se vende no mercado, Jesus pregou para a prostituta que se tornou uma missionária, pq ela depois disso pregou a muitas pessoas, Priscila; a igreja foi se expandindo através de mulheres também, e a lei foi para um povo que estava vivendo no Egito totalmente corrompido, mas a questão do homossexualismo, sempre foi condenada por Deus, a carta de divórcio foi liberada por Moisés, por causa da dureza do coração, e não aceita por Deus. Deus não quer que famílias sejam desestruturadas, mas ninguém segue a palavra, de se casar corretamente, ou lutar pelo seu casamento, o problema todo não é imediato, é falta de base. Eu acho que a igreja verdadeira não pode ser maleável, sinto muito se esta está sendo, está fugindo e muito da verdade. Porque a verdade liberta, tenho visto a liberdade libertar e a mentira aprisionar muitos que se dizem Cristãos e estes infelizmente ficarão de fora, como está escrito em Apocalipse e este meu pensamento não é para dizer que eu julgo, sou uma pecadora como qualquer outra, mas quero rever meus erros dia após dia e não continuar neles, quero seguir a palavra de Deus, não quero que a igreja se amolde a mim e sim me amoldar a ela. Frequento uma igreja que tem história, que seu fundador tem história, de transformação de uma sociedade corrompida, a Inglaterra. Respeito sua opinião, mas não concordo com nenhum de seus argumentos, procuro amar a todos, tenho colegas que são homossexuais, mas não concordo com essa maneira de vida, e em amor tento pregar a palavra, cabe a cada um a escolha. Existem pessoas que nunca aceitarão a verdade, não porque estão condenados, ou porque não foram escolhidos, não acredito na predestinação, mas existem pessoas que não entendem e nunca entenderão a salvação, a obra é pelo Espírito e se ele não tiver espaço para agir, se o coração estiver bloqueado, então nada feito.
        Não fale mal da igreja de Cristo, vc pode perder a sua salvação, por pecar contra a obra do Espírito Santo e este é o único pecado imperdoável. Entendo se não quiser publicar.

        Responder
  9. Cíntia Costa

    Oi, Fernanda! As passagens bíblicas que dizem que homem não pode ter cabelo comprido e que mulher deve usar véu no templo são do Novo Testamento, não fazem parte da “velha lei” que foi revogada. O meu questionamento é: por que temos tanto receio em ouvir e aceitar outras interpretações em relação à homossexualidade mas não em aceitar as interpretações que daquilo que nos convém (como o exemplo do corte de cabelo e do véu)? O que eu entendo é que isso acontece porque temos preconceito. Aprendemos muitas coisas sobre os gays que não são verdade (que ser gay é uma escolha, que homossexualidade é um distúrbio psicológico, que gays são incapazes de amar seus parceiros etc.), e nos apegamos a isso quando ouvimos que pode ser que Deus não condene a homossexualidade. Pela sua citação, acredito que vc deva frequentar a igreja Anglicana talvez – uma vertente que surgiu quando um rei quis direito ao divórcio e o cristianismo da época (católico apostólico romano) não aceitava. Aliás, o protestantismo surgiu de uma ruptura com a Igreja Católica porque algumas pessoas simplesmente discordavam do que os líderes pregavam. E é isso que os cristãos gays estão fazendo: discordando, baseados na Bíblia.
    Sobre seu comentário final, discordo completamente! Se nós não pudermos criticar os pecados da igreja (como o preconceito), o cristianismo está perdido!
    Beijos!

    Responder
    1. Fernanda

      Olá Cintia, a minha igreja é Metodista, fundada pelo avivamento de John Wesley, Deus o levantou justamente para lutar contra tudo isso que aconteceu naquela época e está acontecendo hoje, é muito linda a história de vida dele, que sim, mudou a história do país até hoje.
      E tenho que discordar de você, mas pela última vez, porque não adianta, vc terá seus argumentos e e eu os meus.
      As coisas que eu te escrevi, não são interpretações, tudo está na Bíblia, não interpretei nada, mas esses teólogos que vc diz estão querendo interpretar.
      Deus sempre vai levantar uma geração contra o pecado e a igreja verdadeira de Cristo (não uma denominação, mas um povo) vai prevalecer, não importa quantos, talvez sejam poucos, eu acredito que sejam poucos, como já aconteceu várias vezes na história. Não precisa de ninguém para criticar os pecados da igreja, se ela está corrompida Deus não está mais nela ou nunca esteve, é uma enganação, ela não é de Cristo.
      A igreja tem se levantado mais uma vez contra o pecado e ela será mais uma vez perseguida, isto já está começando, mas acredito que seja já uma preparação para a volta de Cristo.
      Vejo que é como um ciclo, a igreja se corrompendo e Deus levantando pessoas para lutar contra isso. Estamos vivendo isso hoje, me desculpe, mas acho que você está falando da igreja católica ou anglicana, mas acho que vc está (nesta época) do mesmo lado delas.

      Responder
  10. Cíntia Costa

    Oi, Fernanda! A não ser que você esteja lendo a Bíblia em hebraico e aramaico, está lendo uma versão traduzida – temos aí a primeira camada de interpretação. A segunda é a interpretação do John Wesley (muito diferente da interpretação de um pastor pentecostal, por exemplo). A terceira é a interpretação dos seus líderes – pastores, professores de escola dominical e qualquer pessoa que ensine na sua comunidade. A quarta é a sua interpretação pessoal, cada vez que você faz seu devocional e pede orientação a Deus no silêncio do seu quarto. Não vejo nada disso como algo negativo, veja bem. Mas é importante admitir que existem, sim, diferentes leituras e interpretações. Por que o que John Wesley fez é chamado de “avivamento” e o que os teólogos da inclusão fazem é chamado de “distorção”, se na prática ambos defendem uma leitura que consideram mais correta e pura das Escrituras?

    Este meu post é sobre isso: um apelo para a gente parar um pouco, deixar de lado os nossos “pré-conceitos”, baixar as pedras que estamos sempre prontos a tacar e ouvir o que eles tem a dizer. Neste link, você encontrará as principais perguntas e respostas dos cristão gays em relação à homossexualidade e a Bíblia: http://www.gaychristian.net/faq.php e pode ver que ninguém está dizendo “vamos ignorar tal parte da Bíblia” ou “se não posso vencer esse pecado, vou me juntar a ele”.

    Ah, e pode sempre ficar à vontade pra expressar sua opinião por aqui, viu? É um espaço de conversa! 🙂 Beijos!

    Responder
  11. Durval s de morais

    Olha com todo respeito , Deus acabou com sodoma e gomorra cidades contaminada pelo pecado ,onde homens queriam envadir a casa de ló para ter relações com os anjos que etavam em sua casa .e mesmo ló oferecendo suas filhas ele queriam os anjos .Resumindo Deus fez o homem e a mulher para gerarem frutos ou seja filhos ,portanto ambos do mesmo sexo não geram frutos para Deus. Estão despregando o que Deus pregou

    Responder
    1. Cíntia Costa

      Durval, se você, em vez de ficar horrorizado com os homossexuais parasse um minuto para ouvir o que a teologia inclusiva tem a dizer, perceberia que eles falam, inclusive, sobre essa história da Bíblia e sobre a forma como ela foi traduzida. A não ser que você leia a Bíblia em hebraico e aramaico, você lê uma versão traduzida das Escrituras, uma das muitas que já foram feitas e revisadas ao longo dos anos, e não deveria ficar tão chocado com mais essa revisão. Abraços.

      Responder
      1. Cíntia Costa

        Ah, e um detalhe: casais que não tem filhos não geram frutos para Deus e portanto não estão cumprindo Sua vontade também? Esse argumento de que sexo só serve para procriação é tão bobinho… Já leu Cânticos de Salomão? Fica a recomendação de leitura…

        Responder
  12. marcos

    olá, maravilhoso o texto, Deus me ama e me aceita do jeito que sou, e nada, nada mesmo , nem o preconceito das pessoas ,nem a intolerancia do ser humano, nada pode afastar-me do amor de Deus.

    Responder
  13. Pingback: Blog Day 2014 | Física de Mentira

  14. Mateus

    Só ora esclarecer: quando Paulo fala sobre o corte de cabelo e o uso do véu ele menciona a prática das outras igrejas, deixando claro que iaso é uma questão de organização doutrinária, para não causar divisões nas igrejas. Quanto às atricidades da “igreja”, elas foram realizadas por políticos, não pelos apóstolos, ou pelos primeiros cristãos e nem mesmo por Cristo. Além disso, argumentar sobre “original hebraico ou grrgo” é irrelevante, uma vez que não há mais originais dos livros, apenas cópias.
    Com relação ao divórcio, é errado e ponto. Jesus disse isso.
    Com relação à participação da mulher, a recomendação bíblica é que suas ações sejam suficientes para testemunhar a fé. E não, não é cultural isso.
    Outro ponto é: há a participação de homens, mulheres, crianças, idosos, brancos, negros, sociedades tribais, escravos, reis, artistas de todo tipo, pessoas com necessidades especiais, brutos, intelectuais, artesãos, asiáticos, europeus, africanos (e Jesus falou para se pregar até os confins da Terra, pois na época não se havia viajado tão longe), eunucos, pessoas erotizadas, esquizofrênicos, guerreiros, poetas… E tantos outros para seu propósito. Mas em nenhum momento da Bíblia se anuncia um homossexual como um homem obediente a Deus, somente o contrário. Pelo menos é o que vemos em Romanos, quando Paulo fala que os homens foram entregues pir Deus às suas paixões pecaminosas TENDO RELAÇÕES COM OUTROS HOMENS, BEM COMO OCORRIA COM AS MULHERES (se relacionando sexualmente com outra mukher). No caso, se ainda houver um erro de tradução, podemos dizer que foi um baita erro. Detalhe: isso aparece justamente no livro que fala sobre a anulação da Lei pela graça, então sua lógica tem buracos.
    Devemos amar sim. E amar significa também repreenser, como está em Provérbios: “melhor a repreensão franca que o amor encoberto”.
    Agora que se faça justiça: fale isto que você diz como sua opinião. Não confunda a Palavra de Deus com as opiniões que podemos ter, pois Ezequiel já alertava que isso faria com que is profetaa fossem esquecidps diante de Deus e dos homens.
    Não estou aqui para desfazer sua opinião, apenas para mostrar os fatos para quem lê este blog, para que não sejam confundidos.
    Sejamos sóbrios.

    Responder
    1. cintiacosta Autor do post

      Oi, Mateus. Obrigada pelo comentário. Partindo do pressuposto de que só há cópias da Bíblia, existe ainda mais espaço para discussões sobre significados e traduções, não é mesmo? Seu comentário está cheio de interpretações, que você toma como verdades bíblicas. É normal isso, tanto que temos milhares de denominações dentro do cristianismo, mesmo dentro do protestantismo tradicional, e dogmas variam de igreja para igreja nos mais variados pontos. O que não podemos é ter a soberba de achar que só a nossa igreja é que é abençoada o suficiente para entender a Bíblia corretamente, e as outras é que estão erradas. Fica aqui a minha repreensão para você, já que isso também é amor :). É justamente por isso que este post convida o irmão a parar para refletir no assunto, para ouvir os argumentos dos cristãos gays. São irmãos na fé, pessoas que acreditam em Deus, que aceitaram Jesus, que tem um relacionamento pessoal com ele, e que se sentem atraídas por pessoas do mesmo sexo. Você chegou a ler os artigos indicados? Aqui, o convite é para a reflexão. Beijo!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *