Coisa de menino, coisa de menina

Shiloh Jolie Pitt Suri Cruise

Shiloh, a filhinha de Angelina Jolie e Brad Pitt, e Suri, a filhinha de Tom Cruise e Kate Holmes.

Fui essa semana comprar um presentinho para uma amiga que tá grávida e não sabe o sexo do bebê. Só tinham coisinhas rosas com florzinhas ou azuis com carrinhos.

É assim mesmo. Desde pequenos, somos ensinados e ensinamos o que é coisa de menina e coisa de menino.

Menina brinca de boneca e casinha, menino de caminhão e carrinho.

Os meninos aprendem que “homem que é homem não chupa o mel, come a abelha”. Hombridade é sinônimo de bravura, coragem, força, chucknorismo.

As meninas aprendem que tem que se cuidar, estar sempre cheirosas (vovó mandava eu lavar “os baixos” três vezes ao dia!) e de cabelo penteado (cem escovadas antes de dormir). Não podem palavrão, entrar em briga ou fumar e devem sempre sentar de perna fechada. Feminilidade é delicadeza, beleza, amor, carinho, florzinhas.

Quando a gente cresce, apesar de descobrir que nossos gostos e preocupações não precisam ser ditados pelas nossas genitálias, nossos papéis continuam definidíssimos para uma boa parte da sociedade, como nos mostram os homens-macho do Papo de Homem.

Este post começa com o autor contando que ficou revoltado com um homem em um bar, que perguntou ao garçom as calorias de um chopp. Onde já se viu homem ficar se preocupando com aparência?

Diz ele que coisas como ler revistas de saúde, fazer drenagem linfática e peeling são (ou deveriam ser) motivo de “humilhação e depreciação coletiva” para os homens. São coisas de mulher, sabe? Deus os livre de se assemelhar a uma mulher!

“Bem diferente dos tempos de Elvis Presley, Marlon Brando, James Dean. Verdadeiros homens (ui!), que faziam o que queriam, praticavam o politicamente incorreto e, mesmo assim, moldavam mentes jovens, marcavam sua época e – o mais importante –pegavam todas as mulheres que queriam!”

E se você não pegou muito bem a mensagem, ele ilustra com uma imagem. De um lado, soldados, caubóis, armas e cigarros. De outro, os “pobres afeminados”, como diz o autor, com looks fashionistas, roupas coloridas, maquiagem e um rapaz com pinta de ativista em manisfestação contra sei lá o que.

Brutalidade = hombridade, fragilidade = feminilidade.

Acho tão tacanha essa mentalidade… Como se não houvesse mil jeitos de ser, de pensar e de agir, independente do sexo e da orientação sexual.

Tenho preguiça de gente assim. Gente que acha o cúmulo Angelina Jolie e Brad Pitt deixarem uma das filhas usar bermudas e usar cabelo curtinho. Que acha errado deixar o filho fazer balé. Gente que tem medo de o filho ou a filha não serem héteros.

Sigo procurando um presentinho pro bebê da minha amiga, torcendo para que ele ou ela cresça livre dos moldes dicotômicos do homem-macho e da mulher-frágil, e se torne uma pessoa muito mais interessante que o rapaz do post.

11 ideias sobre “Coisa de menino, coisa de menina

  1. Fabrina

    No último dia das crianças compramos pra nossa pequena uma bicicleta Hot Wheels. Tudo porque ela queria uma bicicleta vermelha e só havia vermelho “para meninos”. Para meninas, rosa, rosa, rosa. Quando contamos da conquista de nossa pequena a uma amiga – assumidamente homofóbica – respondeu que “depois você fica puta, né?”. Isso porque nós não apenas permitos que nossa filha exerça qualquer atividade que socialmente é destinada a meninos, como incentivamos e brigamos para que ela e/ou qualquer outra criança tenha esse direito.
    Uma conhecida me perguntou certa vez o que eu faria se ela resolvesse usar coturno aos 15 anos. Não respondi nada. Ia dizer o quê? “Se soubesse teria guardado os meus de herança?”. A verdade é que tenho preguiça disso tudo. Tenho preguiça de explicar que existem outros valores. E que os mais relevantes, os que realmente importam, não se dividem em masculino e feminino.

    Responder
  2. Eliana Costa

    Parece que criei uma menininha pronta pra tudo…..com comportamentos” ditos “femininos , amorosa e e carinhosa mas também batalhadora com garra, comportamentos tipicamente masculinos!

    Responder
  3. Juliana Garcia Sales

    Oi, Cin, tudo bom??

    Nós estamos numa época estranhamente conservadora, em que as pessoas estão querendo se afirmar demais (H e M), e passando isso pras crianças. Quem dera voltarmos um pouco no tempo em que o peito da mulher podia ser pequeno, heheheh.

    Vim aqui contar algo que vi recentemente num desses canais de anúncios tipo Shop Tour. No fim dos anos 80, começo dos 90, havia mochilas das cores mais variadas. Eu lembro que eu queria muito uma mochila azul-acinzentada, com listras pretas. Linda a mochila, nunca esqueço.
    Daí, essa semana, vejo no programa de anúncios uma loja de mochilas escolares. A loja era gigante e forrada de mochilas. Mas só tinha 2 cores de mochila: preto e pink!!!! Cíntia, tô chocada até agora! SOS!

    Responder
  4. Lanika

    Fabrina, eu usava o coturno emprestado do meu pai para ir em shows de rock quando tinha 15 anos. E daí?

    Cintia, eu tô gravidíssima e você sabe! O enxoval da minha filha é todo colorido, com ênfase no lilás. Tem laranja, amarelo, verde, vermelho, preto, roxo… e azul, porque não? Tem UMA peça rosa com bolinhas coloridas porque eu achei uma graça e olhe lá!

    Você está procurando nos lugares errados. Eu achei coisas para a Carmen em brechós e lojas virtuais. Ganhei no chá de bebê um body verde-folha e um preto da Bebê Básico (http://www.bebebasico.com.br/)

    Tudo de bom também é a Companhia das Mães, que tem coisas de várias produtoras: http://www.ciadasmaes.com.br

    Se sua amiga curtir rock, eu gamei nessa loja: http://www.babyrock.com.br/loja/

    FODA-SE se a sociedade acha que menino ou menina tem de ser assim ou assado. Minha filha vai ser como ela tiver de ser!

    Responder
  5. Carol Passuello

    Oi Cíntia!
    Conheci seu blog através de um RT, e curti muito o post! Sou mãe de dois meninos de 11 meses e penso muito no que tu acabou de escrever. Por que menina tem que brincar de boneca e menino de carrinho? Os meninos não serão pais e as meninas motoristas? Por que todos os bilhetes da escolinha começam com Mamãe, e não Mamãe e Papai? Por que… E por aí vou!
    Vou te seguir!
    Bjs

    Responder
  6. Alena Cairo

    Não vou mudar o mundo(!), mas minha filha e meu sobrinho brincam sempre das duas coisas. Ele tem um carrinho de supermercado e empurra com ela, ele leva a bebezinha dela para passear no carrinho, troca fralda da boneca e coloca… para dormir. Ela está ansiosa como ele para ganhar uma moto e andar de skate. Ela já desceu de tiroleza e ele já deu gagau às bonecas

    Responder
  7. Pingback: Qual o problema com “bela, recatada e do lar”? | Cintices

  8. Pingback: Livro infantil Coisa de Menina: ajude o projeto a virar realidade! | Cintices

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *